Edis Lima : como me tornei Guia Cultural em Paris


Bonjour! com um post para responder a uma das perguntas mais frequentes de vocês nas redes sociais: minha relação com a França e como vim morar em Paris.

Gravei um vίdeo para o Canal @beminparis no You Tube no qual falo da minha relação com a pintura de Renoir, que me despertou para a cultura francesa e de certa forma, influenciou minha vinda para a França. Mesmo com o vίdeo no You Tube, alguns de vocês me escrevem com fequência, pedindo para que eu fale sobre esse assunto de forma mais detalhada.  Decidi então deixar registrado aqui no Blog.

Para ilustrar o post, compartilho com vocês o shooting realizado pelo Leonardo Lemos (insta do Leo @itsleo), durante a Paris Fashion Week de setembro. O Leo é fotografo em São Paulo e cobre semanas de moda internacionais com fotos de Street Style e shootings de moda. Adorei a experiência. Já quero repetir.

Edis Lima Guia em Paris

Edis Lima Guia Cultural em Paris

Edis Lima roteiros personalizados Paris

 

Que tal alugar um look para um evento especial em Paris?

Os looks que usei nas fotos acima são da @unerobeunsoir empresa de aluguel de roupas em Paris. As roupas são maravilhosas e podem ser alugadas por uma noite ou um semana. Para você que vem a Paris, não quer sobrecarregar  a bagagem e alugar aquele look parisiense para uma festa, evento ou mesmo shooting, esta é uma opção ideal.

Josefina Bonaparte e o bom gosto como herança

O cenário para essas fotos foi o Hotel de JOBO (em referência a Joséphine Bonaparte), hotel de charme no Marais com decoração inspirada na Imperatriz Joséphine, primeira esposa de Napoleão Bonarparte. Conheci esse hotel no programa de decoração da TV francesa, chamado La Maison France 5, da TV5. Fiquei encantada com os detalhes maravilhosos que lembram o Palácio Imperial de Malmaison, nos arredores de Paris, onde residiu o casal imperial e fui correndo visitá-lo O JOBO foi reformado nos últimos anos e toda a decor foi idealizada pela designer de interiores francesa, Bambi Sloan.

Hotel JOBO no Marais

Minha trajetória antes de me mudar para a França.

Desde cedo me interessei por outros idiomas e sempre fui fascinada pelo universo internacional. Estudei inglês ainda no primário e aos 15 anos, comecei a trabalhar como professora de inglês, em Araguaína, no Tocantins, cidade onde nasci. Aos 16 anos fui para Ribeirão Preto, interior de São Paulo, onde me formei em Administração de Empresas.

Estudei francês em Ribeirão Preto.

Em Ribeirão Preto, no segundo ano de faculdade, comecei a estudar francês na Aliança Francesa, mas estudei francês por mais tempo na  Escola de francês Bonjour Paris, onde adquiri uma base sόlida do idioma. Mais tarde já morando em Paris, fiz uns dois anos de aulas particulares de francês, pelo prazer de continuar aprimorando a pronúncia e a redação.

Meu trabalho no Brasil antes de vir para a França.

Concluίdo o curso superior em Administração de Empresas, fluente em inglês e em francês voltei, então, a morar no Tocantins, onde trabalhei como tradutora-intérprete junto ao Governo do Estado atendendo delegações estrangeiras, a maioria, francesas.

A ideia de uma experiência profissional na França.

Trabalhando com delegações estrangeiras, resolvi tentar um estágio profissional na França. A oportunidade surgiu no final de 2000, quando consegui um estágio por um ano, na área de importação e exportação, em Paris, no setor de alimentos de uma empresa privada. Para minha surpresa, ao final do estágio, a empresa me propôs um contrato efetivo. Voltei ao Brasil para mudar o status do visto de trabalho, de estágio para emprego efetivo e retornei para Paris com um contrato de trabalho garantido.

Minha experiência em empresas francesas.

Trabalhei então mais três anos como efetiva, na empresa de alimentos onde comecei como estagiária. A empresa acabou fechando o setor no qual eu trabalhava apόs uma fusão. Nesse meio tempo, me casei com um bretão (francês do oeste da França) e consegui um contrato de trabalho em uma empresa de projetos estruturais de engenharia e arquitetura, onde trabalhei por três anos, também como tradutora-intérprete e assistente administrativa dos contratos França-Brasil.

Edis Lima na Fashion Week Paris

Hotéis de Charme no Marais


Maternidade e trabalho em Paris

Minha filha Valentine nasceu em 2007 e acabei deixando a empresa de engenharia, pela distância e exigências pessoais da maternidade. Um ano mais tarde, concorri a uma vaga para o cargo de responsável de relações internacionais na cooperação cientίfica e universitária França-Brasil e fui contratada pelo Ministério das Relações Exteriores da França, onde trabalhei por quatro anos, no COFECUB, que atualmente trabalha também com a cooperação científica Ciências sem fronteiras.

Como ingressei no turismo cultural.

Tudo surgiu com a insistência de um colega que via meu interesse por museus, pelo patrimônio da França em geral. Também pela minha habilidade em lidar com pessoas, ele achou que eu pudesse atuar como Concierge e no turismo cultural. De tanto ele me telefonar para perguntar se eu já tinha deixado meu emprego e entrado no turismo, pesquisei onde pudesse fazer uma formação profissional na área cultural. Eu também tinha muito gosto em planejar roteiros de amigos de passagem por Paris.

O desafio de enfrentar o concurso de Guia Oficial

Decidi prestar concurso para o Curso de Guia Conferencista e como a concorrência era grande, contratei uma professora francesa de histόria da França e histόria da arte e me preparei durante nove meses para tentar uma concorrida vaga, nas duas únicas universidades estaduais de Paris que promovem o curso. A seleção incluiu provas escritas e orais, de história de Paris, história da França, história da arte, técnicas de guia e provas de fluência em inglês. O esforço valeu muito a pena, pois dentre 350 concorrentes de diversas nacionalidades, fiquei entre os 25 candidatos selecionados do curso de Guia Conferencista Nacional na Universidade Paris-Est Marne-la-Vallée. Ufa! Passei. Sinal de que era mesmo para mim. Deixei meu emprego no Ministério das Relações Exteriores para me dedicar integralmente ao meu novo percurso.

Paris com estilo no Hotel de Jobo


Como nasceu a @beminparis ?

Com o diploma de Guia Conferencista Nacional, invés de trabalhar como freelance, decidi criar a @beminparis para ter a liberdade de oferecer roteiros personalizados, visitas guiadas e passeios fora do eixo puramente turίstico. Atendo como Guia oficial pessoalmente e coordeno Guias autônomos, também credenciados, que trabalham com a @beminparis em diferentes tours.

A razão do nome BEM in Paris é o fato de eu me sentir muito bem aqui e querer que quem procura a BEM in Paris, também sinta-se muito bem em Paris, sinta-se de fato integrado com a cultura francesa, visitando lugares de frequentação parisiense e vivenciando experiências genuinamente francesas.

Por quê optei pela profissionalização.

A França é um livro de história a céu aberto. A descoberta da história dos monumentos, das ruas, bairros, da evolução da arquitetura, conhecimentos  sobre especificidades da gastronomia, personalidades e costumes locais, todos esses detalhes são abordados  no curso de Guia e durante as visitas fazem toda a diferença para o viajante, por isso busquei o caminho da profissionalização.

O turista acompanhado e guiado no interior dos monumentos por um Guia habilitado, tem a vantagem de receber informações de qualidade, sem ter que se preocupar com o circuito da visita, tendo a tranquilidade de conhecer a França, com quem vivencia a cultura e o modo de vida franceses, além de ficar a vontade para interagir com Guia. O Guia é formado para de certa forma, abrir os olhos do visitante e é muito gratificante perceber o resultado do nosso trabalho já durante a visita.

Vida pessoal e profissional e meu encantamento por Paris

Quando não estou nos museus guiando, estou nos museus, estudando ou pesquisando. Agora quando vou a um restaurante, vou para testar, avaliar. Minha vida pessoal, se mistura (e muito!) com minha vida profissional. Mas, por incrível que pareça, nunca perdi meu encantamento por Paris, pelo contrário, tem dias que, passando pelas margens do rio Sena, avistando ao fundo a Torre Eiffel, me dá vontade de “abraçar a cidade”. Difícil mesmo é ficar em casa num dia de folga (risos!). Como moradora, aprecio o respeito e a cordialidade da vizinhança, ser reconhecida em lugares que gosto de frequentar,  atravessar Paris, para ir ao mesmo cabelereiro, há mais de 15 anos. Enfim, gosto de viver nessa cidade multicultural e dinâmica, onde ainda é possível vivenciar uma proximidade cordial nas relações.

Edis Lima Hotel de Jobo

Guia cultural: uma profissão que tem a minha cara!

Apesar de ter trabalhado durante longos anos em áreas mais formatadas, mais formais, aos poucos venho me adaptando ao trabalho de Guia Cultural e aprendendo a abraçá-lo naturalmente como profissão. Amo comunicar, transmitir, compartilhar e trocar conhecimento. Outro ponto que me favorece no desempenho do meu trabalho é gostar de pessoas, ter curiosidade e interesse permanente em aprender. Às vezes, cansada, começo a estudar e o ânimo volta repentinamente. Se deixar, passo noites em claro, estudando sobre um periodo histórico ou monumento.

O beminparisblog que eu adoro escrever…

Surgiu da minha vontade de compartilhar as visitas culturais pelo ângulo da minha experiência de Guia Cultural na prática, falar de personagens histόricos e artistas não muito comentados e cuja trajetόria considero relevante, das minhas experiências em hotéis, restaurantes, etc. Recomendo apenas o que aprovo e estimo interessante aos leitores do Blog, em especial, a quem vem acompanhando meu trabalho de perto.  Criar o Blog também veio do meu gosto em escrever. Adoro português e sinto essa necessidade de escrever, em português, até para não limitar meu vocabulário com a imersão na lingua francesa. É também um meio de compartilhar minha experiência no turismo, de forma mais abrangente que no Instagram, por exemplo.

De todo modo, em respeito às pessoas que contratam as visitas e passeios da @beminparis não publico tudo nas redes sociais. Deixo alguns endereços como carta na manga para surpreender nossos clientes. Do contrário, não teria graça, contratarem nossos roteiros personalizados.

Minha vida hoje caso nunca tivesse saído do Brasil.

Tenho mesmo vocação para trabalhar em ambientes internacionais e lidar com diferentes culturas e nacionalidades. Certamente teria continuado a trabalhar no âmbito das relações internacionais.

Mais de mim:

Edis Lima Guia em Paris

Voilà ! espero que tenha respondido às perguntas essenciais de vocês. Adoro nossa interação nas redes sociais.

bisous,

 

Leia também sobre – Curso de Moda em Paris.

COMPARTILHAR

POSTS RELACIONADOS

Palacio Imperial de Malmaison
Palácio Imperial de Malmaison: na intimidade de Josefina

Josefina Bonaparte : um destino excepcional Aos 26 anos, o jovem Bonaparte, apaixonado, casa-se com Josefina proporcionando-lhe uma ascenção vertiginosa : esposa de um jovem general em 1796,  Primeiro Consul depois do golpe de Estado de 1799, Josefina torna-se a primeira Imperatriz dos Franceses, coroada pelo próprio Napoleão, na Catedral Notre-Dame de Paris, em 2 dezembro de…

LER MAIS
Azzedine Alaïa exposição Paris
“Azzedine Alaïa : Je suis Couturier”,

A morte repentina do costureiro Azzedine Aläia, em novembro de 2017, aos 77 anos, deixou o mundo da moda orfão de um dos maiores  gênios da costura e do estilismo. Para homenageá-lo, uma exposição excepcional em Paris exibe 41 vestidos de Alta costura de Alaïa, realizados entre 1981 et 2017. Instalada no local onde funcionou o…

LER MAIS

COMENTÁRIOS

instagram | @beminparis