2018: Picasso celebrado em Paris


Nascido em Málaga em 1881, Picasso viveu e iniciou seu aprendizado na pintura, na Espanha, onde assimilou a arte dos grandes mestres espanhóis do século XVII, o Século de ouro da pintura (Vélasquez, Murillo), antes de partir para Barcelona e de se instalar finalmente, em Paris, onde produziu grande parte de suas obras.

Picasso chega em Paris em 1900, na Gare d’Orsay, antiga estação de trem onde funciona hoje, o Museu d’Orsay, que revisita de forma inédita, o trabalho do artista espanhol, de 1901 a 1906, fase conhecida como perodo azul e rosa.  O perίodo azul da pintura de Picasso é marcado pelo suicίdio de seu amigo Carlos Casagemas e por sua imersão nos bas-fonds da Paris dos anos 1900. As obras desse perίodo retratam temas cheios de melancolia e tristeza, com personagens que vivem à margem da sociedade interpretando cenas relacionadas a fome, a miséria e a morte. Do inverno de 1901 a meados de 1904, Picasso concentra sua sensibilidade e suas pesquisas em torno da cor azul, que ele vai definir mais tarde como « a cor de todas as cores ».

PIcasso autorretrato periodo azul

Pablo Picasso celebrado em Paris

Pablo Picasso exposição no Museu d'Orsay em Paris

A Celestina

A Celestina de Picasso

A Celestina, de 1904, do acervo do museu Picasso-Paris, é uma ds obras mais marcantes do perίodo azul de Picasso. Picasso retrata a senhora Carlotta Valdivia, moradora do Barrio-Chino, bairro popular de Barcelona, cujo nome figura atrás da tela. O olho esquerdo  da personagem (para o espectador, à direita) é coberto por uma tela leitosa. Trata-se de uma membrana opaca ou pouco translúcida que recobre o olho doente ou machucado. O olho opaco sugere que a mulher é cega e que enxerga de um sό olho. No quadro monocromático, Picasso usa apenas a cor azul em diferentes nuances. No perίodo azul de sua pintura, Picasso passa por grandes dificuldades materiais e questiona-se com melancolia sobre o sentido da vida humana, deixando transparecer essa melancolia em suas obras. Picasso intitula o quadro, A Celestina, fazendo alusão a uma figura clássica da literatura espanhola.

Perίodo rosa, de 1904 a 1906

A partir de 1904, os temas e o estilo de Picasso vão evoluir sob a influência dos escritores e artistas que frequentam seu novo atelier, o Bateau-Lavoir, em Montmartre. A evolução de sua paleta para a cor rosa coincide com seu encontro amoroso com Fernande Oliviera, uma de suas primeiras musas. O perίodo rosa de sua pintura, de 1904 a 1906, também destaca personagens marginais, nômades, saltimbancos, acrόbatas, arlequins…porém, interpretados com certa leveza e uma tonalidade poética, variando entre os tons de rosa e de ocre.

O periodo rosa da pintura de Picasso

Destaque para obras-primas de Picasso no Marais

Em 2018, Picasso é também celebrado em Paris no prόprio museu nacional Picasso-Paris, instalado no Marais. A exposição « Chefs-d’œuvre ! » (em português, Obras-primas) questiona a noção do status de obra-prima na criação de Pablo Picasso por ele mesmo e crίticos de arte especialistas em sua obra. A exposição reune obras de grande relevância na histόria da arte, algumas expostas em Paris pela primeira vez.

Pablo Picasso teria realizado mais de 120 000 obras e algumas delas estão conservadas nas coleções permanentes do Museu Picasso, no Marais. Cerca de 5000 peças, dentre as quais, 300 pinturas e 370 esculturas estão expostas no Hôtel Salé, um palacelete no Marais, que dispõe de uma superficie de 3600m² de exposição, com um circuito cronológico e temático de visitação de obras-primas daquele que é considerado o pintor mais criativo do século XX.

Arlequem Picasso Paris

Em 2018, onde conferir as exposições que celebram Picasso em Paris?

A exposição Picasso bleu et rose fica no Museu d’Orsay, em Paris, até o dia 6 de janeiro de 2019.

A exposição Chefs d’œuvre pode ser vista no museu nacional Picasso-Paris, até o dia 13 de janeiro de 2019.

 

Escrevi sobre o Museu Picasso com uma dica gourmet. Nesse link.

As mulheres da vida de Picasso. Leia aqui.

 

A BEM IN PARIS propõe visita guiada no Museu d’Orsay abordando o surgimento e a evolução da pintura impressionista por um circuito de obras-primas de artistas como Renoir, Monet, Pissaro, Manet, entre outros.

Informações e reservas pelo E-mail: contato@beminparis.com

COMPARTILHAR

POSTS RELACIONADOS

Poltrona listrada Pio Conti
Gio Ponti, arquiteto da elegância

O Museu das Artes Decorativas de Paris apresenta em sua nave central, a exposição Tutto Ponti, Gio Ponti archi-designer cobrindo o conjunto da carreira do arquiteto e designer italiano Gio Ponti, de 1921 a 1978. Considerado como um dos profissionais mais influentes do século XX, Ponti (1891-1979) interessa-se tanto pela produção industrial quanto pela produção…

LER MAIS
A alegre pintura de Renoir nos bailes de Montmartre
O impressionismo e a moda

Na época dos impressionistas, as roupas da moda eram vendidas a preços mόdicos. Homens e mulheres que apreciavam seguir a moda, encontravam ilustrações de modelos em jornais especializados que divulgavam as mais célebres criações das maisons de couture, modistas, alfaiates e lojas que propunham elementos necessários à composição de trajes eegantes, vestidos e chapéus. Nos…

LER MAIS
Tenda da instalação Napoleão na Bienal Paris
Bienal Paris no Grand Palais

A Bienal Paris é um dos eventos culturais mais prestigiados da capital francesa. Durante uma semana, a Bienal reune sob a histόrica cúpula do Grand Palais, cerca de sessenta galeristas franceses e estrangeiros. Comparada a um museu efêmero, a Bienal é um salão histόrico e patrimonial, reunindo coleções excepcionais de quadros, esculturas, mόveis e objetos…

LER MAIS
Kowei Nawa no Louvre
Japão na França: trono contemporâneo sob a Pirâmide do Louvre

A Pirâmide do Louvre é um dos elementos de maior atração do museu e, desde abril de 2014, o Louvre tem convidado artistas contemporâneos para criarem instalações temporárias especificamente para serem exibidas sob sua Pirâmide central, principal entrada do museu, criada pelo arquiteto sino-americano Ieoh Ming Pei. O « Trono » de Kohei Nawa Nascido em Osaka,…

LER MAIS

COMENTÁRIOS

instagram | @beminparis